quarta-feira, 26 de outubro de 2016

Onde nos perdemos?

Faz algum tempo que venho passando por uma grande reavaliação interior e também dos meus relacionamentos íntimos.
Já me peguei algumas vezes dando um Google em "por que casais se separam?" ou "por que relacionamentos acabam?".
Para mim, tem sido cada dia mais difícil entender em qual momento do caminho um relacionamento passa de muito feliz à infeliz. Quando um casal se perde um do outro? Onde nos perdemos de nós mesmos?
A vida é feita de mudanças e as coisas são efêmeras, ok, isso eu entendo. Mas e quando as mudanças são tão incompreensíveis? Aperta o coração, trava a garganta e dói até o fundo da alma. A dor é tamanha que muitas vezes as lágrimas não caem e a impressão que temos é que vamos sufocar sem ar.
A não compreensão dos erros (será que houveram erros?) ou o auto julgamento severo (houveram erros e foram todos meus) não trazem as respostas que buscamos. Só parecem piorar a dor e aumenta ainda mais as dúvidas: "cobrei demais?", "fui muito transparente?", "amei tanto que sufoquei?", "tomei decisões precipitadas?"...
Aparentemente não há receita de bolo que diga que alguém deveria ter colocado "1 pitada a mais de abraços" e não ter batido na mistura tanta exposição em redes sociais, por exemplo. Sendo assim, sem receita, sem fórmula correta e sem certezas, a angústia só aumenta, pois sem receita para a separação, também não podemos afirmar que haverá uma receita para a reconciliação.
"Conversar, conversar, conversar" aconselham os mais chegados. Mas quando todas as alternativas e formas de conversa se esgotaram sem qualquer sucesso? Quando um dos parceiros é mais fechado (geralmente o homem) que o outro, como conversar, como buscar soluções?
Muitos dos relacionamentos íntimos são feitos de tantos enigmas, detalhes e pisadas em ovos, que o que se perde inicialmente é a naturalidade e em seguida, infelizmente, a relação.
O que fazer quando os beijos de boa noite ou de bom dia tornam-se visivelmente um costume e não um sinal de paixão ou amor? Como proceder quando os elogios não chegam mesmo quando você vai ao salão, se arruma e está se sentindo poderosa? 

A vida não tem receita... E é uma pena quando aquele bolo mais desejado, feito com mais amor, acaba não crescendo (batumando, como dizem) ou queimando (deixando o gosto amargo na boca)...


Nenhum comentário:

Postar um comentário