quinta-feira, 16 de fevereiro de 2012

Amor (Desamor) no Carnaval

Well... wel... Boa tarde para todos.

Divido com vocês o texto de Paulo Sternick na Revista Caras desta semana.

AMOR

Casais que se liberam no carnaval podem ser magoar ou até se perder.
A folia de Momo, com todo o seu apelo sensual, convida às ruas, aos salões à liberdade e alguns casais, especialmente os que já enfrentam problemas, muitas vezes decidem se soltar: cada um vai para o seu lado aproveitar a momentânea fuga da realidade. Só que as dores e conquistas nem sempre são equivalentes e o resultado da brincadeira pode ser a dor, a separação, a saudade.

"Mas é carnaval de novo, você se dissolve, e a saudade aumenta." A bonita letra de Maria Gadú traduz a inquietação de muitos pombinhos, especialmente os que não têm certeza se poderão ficar juntos nos dias de folia. Sim, porque se alguns casais só veem no carnaval a oportunidade de viajar e relaxar por alguns dias, e tudo que desejam é se refugiar na montanha, numa praia ensolarada ou até numa metrópole como Nova York, outros são súditos fiéis de Momo, adoram blocos de rua, curtem desfilar nas escolas de samba. Vestindo ou não uma camisa amarela, saem por aí, e nem sempre o fazem ao lado de suas caras-metades.

Claro que brincar a dois, quando o casal está de bem com a vida, pode ser só riso e alegria. Mas é preciso que ambos se protejam ao clima de sedução que reina nas ruas, nos bares e blocos de suas cidades, preservando com lealdade o bom astral da relação e não deixando que a vaidade de se sentir atraente supere a atenção para com ele ou ela. Afinal, o carnaval dura apenas alguns dias e a vida real prossegue depois do reinado de Momo. No entanto, há pessoas, especialmente as mais jovens, que ficam tão exaltadas com a folia que é como se não pensassem na existência do day after. O entusiamo lúdico e sensual - estimulado pela imersão na massa - enfraquece os freios da razão e do bom senso. Entende-se que é preciso desligar alguns botões de controle para sair na folia, mas, convenhamos, não precisam ser todos!

A simples proximidade da festa já é capaz de mexer com casais que não andam muito bem das pernas. É que o carnaval traz significação muito forte de prazer, satisfação lúdica e sensual, encontros com amigos, conquistas amorosas, gente bonita e descontraída. Aí, leitor, imagine: o que fazer com uma relação enguiçada exatamente quando essa farra toda rola solta? Alguns insistem e ficam juntos. Estes devem aproveitar o momento para refletir sobre o que está dando errado, fazer um programinha tranquilo, assumir a tristeza, e não idealizar a alegria, exagerando a satisfação que estão perdendo, ou a que os outros podem estar experimentando: nada é tão bo, ou eternamente bom, e nada é tão ruim, ou definitivamente ruim.

Agora, se os dois são jovens e sem maior compromisso, com vínculos instáveis ou coloridos, é bem possível que se separem em tempo de cair no samba sozinhos ou façam acordos de liberdade temporária.

A rua convida e acena com ar novo e instigante, ao som do batuque do samba. De que valem duas vidas sem rumo ficarem juntas na folia sem prazer? Cada um vai para seu lado, mas dores ou conquistas poderão ser desiguais, e os riscos de se magoarem, razoáveis! Que tal algum cuidado? Por entre os foliões, haverá almas inquietas e sofridas: onde ele ou ela estarão? Com que delícias? Afinal, como canta a música de Maria Gadú, é carnaval de novo, você se dissolve, e a saudade aumenta.

O Rei Momo, com sua mensagem de alegria e descontração, não imaginou que o carnaval pudesse levantar complexas questões para alguns casais. Claro, sempre houve as desventuras de Pierrô e Colombina. Afinal, como tudo na vida, nada vem sem o seu contrário, e assim a alegria nem sempre está livre da tristeza. No meio da multidão.

* Paulo Sternick é psicanalista no Rio de Janeiro (Leblon e Teresópolis)

Nenhum comentário:

Postar um comentário