terça-feira, 30 de novembro de 2010

Insatisfação Crônica?

Olá pessoal,

Deve fazer aproximadamente 2 semanas do dia em que escrevi o título deste post: "Insatisfação Crônica", para agora, o momento em que sentei à frente do computador para pensar o assunto.

Quando iniciei este post, pensei na minha insatisfação quanto as coisas da vida e pelo fato de sempre esperar mais das pessoas do que elas realmente podem me oferecer, principalmente no que refere-se ao plano amoroso. Sempre coloquei a culpa em mim por eu estar solteira há tanto tempo, mas quanto mais experiências passo em minha vida, vejo que a parcela de culpa não é absoluta minha, pelo contrário.

É muito difícil encontrar alguém que esteja realmente 100% aberto a um relacionamento novo e é raro (senão impossível) encontrar alguém que venha limpo, de coração aberto e sem vícios de outros relacionamentos.

Eu, particularmente, sempre tive, seja na vida amorosa ou não, uma restrição imensa ao fato de "ser mandada" ou sentir que estou sendo aceita pelo meu parceiro, "desde que eu faça alguns ajustes" à minha personalidade ou ao meu jeito de ser ou me vestir.

Quer dizer, se estamos com alguém e escolhemos aquela pessoa para dividirmos algum tempo da nossa vida, não foi pelo fato da pessoa ser "errada" e sim por ela ser aquilo que esperamos em alguém. Vamos falar a verdade, ninguém quer perder tempo com uma pessoa que não é adequada àquele momento, pelo simples fato de perdermos um P%$@ tempo tentando mudá-la. Não, nós queremos ser felizes e muitas vezes, dar mais do que receber. SEM HIPOCRISIA, quem aqui fica feliz em só dar, dar, dar e não receber nada em troca? Isso é impossível, meus amigos. Genuinamente, não fomos feitos para nos doar e é por isso que os relacionamentos em sua maioria não funcionam, porque projetamos no outro o que esperamos, mas que nós mesmos não queremos fazer pelo outro.

Além disso, a partir do momento que passamos a adaptar nossas vidas, costumes, roupas, entre outros, ao ser amado, nós acabamos perdendo nossa própria identidade e passamos a viver a projeção desta pessoa, aquilo que ela espera de nós e como ela quer nos moldar, não sendo mais aquela pessoa pela qual o outro se apaixonou.

Podem me julgar e achar que estou sendo exagerada, mas creio que podemos abrir exceções e nos adaptar um ao outro, porém jamais, podemos mudar nossa personalidade buscando agradar ao outro, quanto na verdade estamos acabando com nós mesmos.

E podem ter certeza, na verdade, ninguém muda pra valer, vocês podem ver, exemplo, uma namorada é ciumenta ou um namorado é grosseiro, quando um resolve por ponto final na relação, o que o outro propõe? MUDAR! Mas todos estão carecas de saber que essa mudança é absolutamente temporária, passado perdoado, romantismo resgatado, uma hora ou outra, o parceiro volta a ser exatamente o que era antes de todas as promessas de mudança. E ISSO É NATURAL! Nós somos do jeito que somos e REPITO: Ninguém muda pra valer.

Se uma namorada pede para o namorado mudar o tipo de camisa que ele usa, de camiseta para camisa pólo, pode contar, ele vai mudar enquanto estiver com ela, mas nos momentos que for sair com os amigos ou com a família, estará lá a camiseta de volta. Um cara pode pedir para uma garota usar um estilo X de calcinha, blusas, vestidos ou saias, ela vai mudar nos momentos que estiver na companhia dele, mas nos outros, a calcinha de algodão bege, a saia longa, a camiseta ou o vestido de velha, retornarão. Isso significa o que exatamente? Que no momento que estamos com a pessoa, não estamos sendo verdadeiramente nós mesmos e isso é uma agressão a nossa auto-estima, amor-próprio e por aí vai. E o que acontece? Como eu disse, uma hora ou outra, o somatório das mudanças vai pesar e o relacionamento vai para o ralo.

Podem contar meus amigos, quanto mais quisermos mudar os hábitos dos nossos pares, fica mais provável que eles logo baterão asas e logo estarão ao lado de alguém que não queira ficar mudando roupas, horários e outros milhares de detalhes, que são PATÉTICOS quando comparados aos momentos que poderíamos passar juntos à eles. Afinal, a moda e alguns gostos, não são realmente importantes quando se fala em COMPANHEIRISMO, AMOR E SEXO.

Entendamos então que a INSATISFAÇÃO CRÔNICA refere-se ao fato de que, ao idealizarmos nossos companheiros, NUNCA, JAMAIS, estaremos felizes, por mais especial que a pessoa seja e por tanto, corremos o grande risco de perdermos quem realmente amamos ou a tão esperada "pessoa ideal" pelo simples fato de estarmos cegos pelo idealismo.

É, tenho muito a escrever a pensar, assim como provavelmente vocês terão a partir desse post.

Beijos a todos,
Isa

Nenhum comentário:

Postar um comentário